Repórter que apresentou JN é demitida após denunciar assédio: “Era o João de Deus”


A jornalista Ellen Ferreira foi chamada às 8h30 desta quinta-feira (23/7) à sede da Globo em Roraima na expectativa de que voltaria ao trabalho depois de se recuperar da Covid-19, que contraiu no início do mês. Porém, ao chegar lá, foi levada direto à sala de reuniões, onde já estavam prontos os papéis da sua demissão.


A direção alegou reestruturações para justificar o desligamento. Mas, em entrevista à coluna, Ellen, que apresentou o Jornal Nacional em outubro do ano passado, acredita que o motivo seja outro: um diretor de jornalismo acusado por ela e vários outros funcionários dos mais diversos tipos de assédio.


“Edison Castro é um psicopata que já havia passado pelas redações de Goiás, Maranhão e Tocantins. Homofóbico, racista, gordofóbico. Praticava assédio moral e sexual, deixou toda a equipe doente. Uma moça da TV Anhanguera [Goiás] chegou a tentar se matar por causa dele”, afirma Ellen. “Debochava de um repórter que era gay. Chamou o cabelo de uma repórter negra de moita feia”, continua.

Os ataques a ela também eram constantes. A jornalista chegou a desenvolver uma crise de ansiedade este ano por conta da relação que mantinha com o superior. “Ele dizia que eu era repugnante, gorda, que me vestia mal. Me ameaçava de demissão constantemente. A fama dele era de o João de Deus da redação. Havia gente que desejava bater nele”, relata.


Com a situação cada vez mais insuportável e, segundo ela conta, sem receber qualquer apoio de outros chefes dentro da Rede Amazônica, Ellen chegou ao limite de enviar um e-mail a Ali Kamel, diretor de jornalismo da Rede Globo, relatando tudo o que acontecia. Ela acredita que isso também ajudou a fazer com que seu nome ficasse cotado para demissão.

Dossiê

Como as agressões atingiam várias pessoas, Ellen decidiu se unir a outros funcionários e, juntos, eles montaram um dossiê que foi enviado ao Sindicato dos Jornalistas de Roraima (Sinjoper). A pressão causada pelos relatos foi tanta que o jornalista foi demitido da Rede Amazônica em 29 de junho, segundo ela.


Mesmo assim, Ellen acredita que a influência dele foi mantida e, por isso, ela acabou sendo demitida. “Meu sonho foi interrompido. Eu estava escalada para apresentar o Jornal Nacional mais duas vezes esse ano, mas foi adiado por conta da pandemia. Agora, estou demitida”, conta ela, que ficou na emissora de 2011 a 2015 e voltou de 2018 a 2020. Porém, Ellen não se arrepende. “Eu lutei por uma equipe. Fiz o que foi necessário para acabar com aquela palhaçada e faria de novo. Acabaram com meu sonho, mas eu tenho saúde e vou conseguir me recuperar”, finalizou.

A coluna procurou a Globo, mas não recebeu resposta até a publicação. Estamos abertos para qualquer manifestação.