Rede Ricardo Eletro fecha 35 lojas em definitivo em Pernambuco


Todos os 392 funcionários que ainda trabalhavam na rede de lojas Ricardo Eletro, em Pernambuco, foram demitidos e as cerca de 35 lojas localizadas em 25 cidades do Estado foram fechadas. A informação foi passada ao Jornal do Commercio pelo vice-presidente de operações da empresa, Ricardo Silva. Nesta segunda-feira (10), o pedido de recuperação judicial da Máquina de Vendas, controladora da rede Ricardo Eletro, foi aceito pelo juiz Tiago Limongi, da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo (SP). Com isto, a Ricardo Eletro fechou suas 300 lojas físicas em 17 estados e demitiu cerca de 3.600 funcionários no País.


Com uma dívida estimada em R$ 4 bilhões, o foco da rede varejista será a partir de agora o comércio eletrônico. A Ricardo Eletro justificou sua aposta nas vendas pela internet ressaltando que houve um crescimento nos acessos ao site da empresa durante a pandemia, passando de 50 mil visitas no mês de março para 350 mil visitas diárias em agosto. A ideia da Máquina de Vendas que, além da Ricardo Eletro, é dona das marcas Insinuante, Salfer, City Lar e EletroShopping, é formar uma rede de vendedores parceiros onde pessoas físicas, empresas ou lojas poderão comercializar os produtos anunciados no site, aproveitando a marca, a malha logística, as ações de marketing e toda estrutura digital da Ricardo Eletro. Atualmente são mais de 160 mil itens disponíveis nos canais digitais, informou a Máquina de Vendas.



ALTERNATIVA

“Todos os 392 colaboradores que tínhamos em Pernambuco foram convidados a participar dessa plataforma de vendas, a Ricardo Digital”, explicou o vice-presidente de operações. Basicamente, os vendedores utilizam o cadastro dos clientes que já havia nas lojas para divulgar as promoções e produtos do site, recebendo uma comissão variável por cada venda concretizada, explicou Ricardo Silva. “Desses 392 ex-colaboradores nós já temos cadastrados e operando 126, o que é uma aceitação muito boa. Dependendo do desempenho do vendedor, é possível ganhar até o dobro da remuneração que ele ganhava na loja física”, diz Ricardo Silva.

O Sindicato dos Empregados no Comércio do Recife se posicionou contrário a ideia de transformar os antigos funcionários das lojas em revendedores independentes, como pretende a rede. "A empresa nos passou que tem menos de 80 empregados nas três lojas ativas em Recife e que desde o fechamento do comércio em abril de 2020 por conta da pandemia não voltou a funcionar. Em relação a contratação de trabalhadores na modalidade de autônomos para venda online o sindicato não é a favor, pois precariza o trabalho e as garantias trabalhistas com perda de direitos", diz a nota.

REESTRUTURAÇÃO

A Ricardo Eletro, informou através de nota à imprensa que, assim como grande parte do varejo, sofreu os impactos da pandemia. “Desde janeiro deste ano, a companhia passou a enfrentar dificuldades no recebimento de produtos chineses destinados à renovação de estoques, devido à paralisação de fornecedores. Em seguida, houve um estrangulamento de caixa provocado pelas necessárias medidas de distanciamento social também no Brasil. Esses fatos comprometeram os esforços de reestruturação que a Máquina de Vendas vinha empreendendo”, diz a nota. A empresa mencionou ainda que a recuperação judicial foi o caminho mais viável para que se “promova a reorganização administrativa e financeira necessária para superar a situação momentânea de crise”. A companhia estava em recuperação extra judicial desde 2019.