Presidente chinês diz que avanço do vírus 'se acelera' e que país enfrenta 'situação grave'


A epidemia de pneumonia viral que matou 41 pessoas "está se acelerando" e coloca a China em uma "situação grave", reconheceu neste sábado o presidente Xi Jinping, pedindo o fortalecimento da autoridade do regime comunista.

O novo coronavírus, que apareceu em dezembro no centro do país, contaminou 1.300 pessoas na China, das quais pelo menos 41 morreram, e se espalhou para vários países, incluindo Austrália, França, Estados Unidos e vários países asiáticos.

A China pode "vencer a batalha" contra o novo coronavírus, disse o chefe de Estado chinês em uma reunião do comitê permanente do Bureau Político do Partido Comunista, a instância de sete membros que administra o país, segundo a agência de notícias oficial Xinhua. 



"Dada a grave situação de uma epidemia que se acelera, é necessário fortalecer a liderança centralizada e unificada do Comitê Central do Partido", afirmou.

Na segunda-feira passada, em suas primeiras declarações, ele pediu medidas para "parar" a epidemia. Na quinta-feira a cidade de Wuhan, epicentro da epidemia, e sua região foram colocadas em quarentena.

Desde então, 56 milhões de chineses foram isolados em áreas das quais não podem sair até novo aviso.