PF prende prefeito e vice de cidade do Agreste de Pernambuco por suspeita de fraude em licitação

Foram cumpridos cinco mandados de prisão preventiva, treze mandados de busca e apreensão em endereços residenciais e comerciais, além de mandados de afastamento de funções públicas dos ocupantes de cargos na administração municipal de Agrestina, além de mandados de afastamento de sigilos bancário e fiscal dos investigados, todos expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região. As investigações contam com o apoio da Controladoria-Geral da União (CGU). Segundo a PF, as vantagens ilícitas eram auferidas por meio da contratação fraudulenta de empresa de “fachada”, com recursos oriundos de verbas federais, frustrando o caráter competitivo do processo licitatório e promovendo a execução dos contratos por meio de terceiros desqualificados. A Polícia Federal em Caruaru deflagrou, na manhã desta quinta-feira (10), a terceira fase da Operação Pescaria, para desarticular uma organização criminosa especializada no desvio de recursos públicos na Prefeitura de Agrestina. O prefeito do município, Thiago Nunes, e o seu vice, José Pedro da Silva, conhecido como Zito da Barra foram presos na operação. A operação de hoje mira a lavagem dos lucros ilicitamente auferidos pela organização, levada a cabo por meio da utilização de conta bancária de titularidade de um “laranja” vinculado ao grupo. Ainda segundo a PF, esta conta bancária servia aos investigados para o recebimento de transferências bancárias e depósitos em espécie, estes na sua maioria em valores baixos e sem a identificação da origem, realização de saques de valores vultuosos, bem como, também, para a utilização de cheques assinados em branco, tudo com o propósito de dificultar a identificação da origem criminosa do dinheiro. Os crimes investigados na atual fase da operação são de organização criminosa, peculato, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. A ação conta com o emprego de 70 policiais federais, além de servidores da CGU.