Pernambuco libera férias para profissionais de saúde da rede estadual a partir de setembro


A partir do mês de setembro, profissionais da rede estadual de saúde poderão voltar a tirar férias em Pernambuco. A autorização foi dada por meio de uma portaria, publicada no Diário Oficial na última terça-feira (25). Desde o dia 21 de março de 2020, por causa da pandemia do novo coronavírus, os profissionais tiveram as férias suspensas. Estão incluídos na programação servidores efetivos, com vínculo por CLT, terceirizados, cedidos, cargos comissionados e contratados por tempo determinado, com trabalho presencial ou remoto.

A definição do período de férias obedece um calendário e se dará por meio da chefia imediata do profissional, no entanto, caso haja mudança no cenário epidemiológico relacionado à pandemia, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) poderá fazer alterações novamente. Os servidores que estavam com férias programadas para abril de 2020, podem gozar em setembro; já para quem tinha agendado para maio e junho, o gozo ocorrerá em outubro.

Quem tinha planejado para julho, será contemplado em novembro deste ano. Já para os dos meses de agosto e setembro de 2020, serão beneficiados em dezembro do mesmo ano. Seguindo o calendário, quem iria ter as férias em outubro e novembro, vão tirar a licença em janeiro de 2021 e, por último, os que estavam programados para dezembro de 2020, gozam as férias em fevereiro do próximo ano. De acordo com Ricarda Samara, secretária executiva de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde, no próximo ano, as férias só poderão ocorrer a partir do mês de março.


"As equipes estão trabalhando no máximo, e os números estão estabilizados. Então, nós pensamos em começar a fazer a liberação das férias para os profissionais que estão ativamente trabalhando possam descansar", explica. Segundo a SES, desde o início da pandemia, quase 10 mil profissionais foram convocados, contratados ou remanejados para trabalhar no combate ao coronavírus. Destes, mais de 3 mil foram nomeados por meio de concurso e outras 4,9 mil contratações foram feitas através de seleção simplificada. Outros 1,8 mil profissionais que estavam atuando em ambulatórios, passaram para a rede hospitalar ou para o Atende em Casa.