Nova superintendente da PF vai intensificar integração com polícias


Uma Polícia Federal integrada às instituições para fortalecer o combate à corrupção, ao crime organizado e ao tráfico de drogas. A nova superintendente da PF em Pernambuco, Carla Patrícia Cintra Barros da Cunha, deixou claro que uma das prioridades do novo comando será ampliar as parcerias com os demais órgãos policiais do Estado. Numa posse concorrida e prestigiada por dezenas de autoridades, a primeira mulher à frente da superintendência da instituição em Pernambuco disse que sua gestão "vai primar pela técnica e atuação contundente, mas sem esquecer o lado humano de mulheres e homens por trás dos cargos."

O currículo da nova superintendente ajuda a reforçar a estratégia de aproximação e atuação conjunta entre as instituições policiais. Nos últimos dois anos, Carla Patrícia esteve no comando da Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social (SDS), onde conheceu de perto o efetivo policial do Estado. A delegada federal teve, inclusive, uma participação decisiva na criação do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (Draco), que inclui várias delegacias especializadas no combate à corrupção. Ela foi uma das idealizadoras do novo formato adotado, no final de 2018, pela Polícia Civil. "A partir dessa especialização, que possui um mesmo roteiro seguido pela Polícia Federal, as ações (conjuntas) naturalmente serão intensificadas", destacou Carla Patrícia

. O secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, reforçou que a contribuição dada pela nova superintendente estreitou a forma de atuação das polícias. "Ela fez um trabalho brilhante à frente da Corregedoria, trouxe sua experiência para que a gente pudesse construir o Draco. O governo do Estado agradece a essa participação e toda a história que ela tem à frente do combate à corrupção na Polícia Federal. A nossa ideia também é aumentar essa integração", declarou.

Com a experiência de quem começou na PF de Pernambuco como estagiária, Carla Patrícia está há 20 anos na instituição, tendo passado por diversos cargos. Ocupou por seis anos a função de escrivã e, já como delegada federal, chefiou vários departamentos e delegacias regionais. É descrita como uma pessoa determinada, aguerrida e de pulso forte.

Em seu discurso, a nova superintendente fez questão de ressaltar que o conceito de segurança pública não se restringe apenas à repressão. "A segurança, para além da paz e da ordem social, é fator extremamente relevante para o desenvolvimento econômico de uma nação. A eficácia da segurança publica previne o desmatamento, as queimadas, a poluição e, em última análise, mantem o equilíbrio ambiental para impedir indesejadas mudanças climáticas que podem afetar a produção agrícola do Brasil e, em decorrência, atingir a nossa balança comercial", pontuou.

A posse aconteceu na manhã desta sexta-feira (13), no auditório do Tribunal Regional Federal (TRF) da 5° Região, no Cais do Apolo, no Bairro do Recife. Entre as autoridades, estiveram presentes o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, e o ex-superintendente da PF em Pernambuco Carlos Henrique de Sousa, que, no mês passado, deixou o cargo para assumir a chefia da instituição no Rio de Janeiro.


Por: JC Online