'Não teve natal, não teve nada, só tristeza', diz mãe de jovem soterrado em deslizamento que matou s


Alexsandra França perdeu o filho, de 25 anos; o neto, de 2 meses; e a nora, de 19 anos, na tragédia ocorrida na terça (24), véspera de natal, em Dois Unidos, na Zona Norte da capital.


"Estou no calmante, que minha filha está me dando. Não teve natal, não teve nada, só tristeza. Só ficou minha filha. Perdi meu filho, meu neto e a esposa do meu filho. Não sei o que vou fazer daqui para a frente". O depoimento é da dona de casa Alexsandra França, mãe de Emanuel Henrique de França, de 25 anos, uma das vítimas do deslizamento de barreira que matou sete e feriu três em Dois Unidos, na Zona Norte do Recife




De uma só vez, ela perdeu, além do filho, a nora, Érica Virgínia, de 19 anos e o neto, Érick Junior, um bebê de 2 meses. Todos dormiam em uma das duas casas atingidas pela barreira. O desastre ocorreu na véspera de natal, na terça-feira (24).

A família estava reunida para a noite de natal. A data, no entanto, ficou marcada pela saudade. "Ele era um meninão, eu dizia que ele era um menino danado. Não tinha tempo ruim para ele, só vivia rindo. Você pode perguntar em qualquer rua, todo mundo conhecia ele", disse Alexsandra.

Na casa vizinha, estavam Lucimar Alves, de 50 anos; a neta dela, Daffyne Kauane Alves, de 9 anos e um casal de amigas da família, Claudia Bezerra, de 47 anos, e de Lia de Oliveira, de 45 anos. Todas morreram na tragédia.


Também estavam no local três sobreviventes: o casal Luiz Tadeu Costa, de 56 anos, e Cristina Gomes da Silva, de 43 anos, e Otoniel Simião da Silva, de 57 anos, marido de Lucimar e primo de Emanuel.

O corpo de Emanuel foi o primeiro a ser enterrado, no Cemitério de Santo Amaro, Centro do Recife, na tarde de terça-feira. Érica Virgínia e o bebê Érick Junior foram sepultados em Palmares, no Agreste, nesta quarta-feira (25). Lucimar e Daffyne também foram enterradas pela manhã, em Santo Amaro