Governo de Pernambuco autoriza aulas em Noronha e deixa para dia 14 sobre o resto do Estados

Havia uma expectativa grande, por parte de donos de escolas, professores e pais de alunos, que o governo tratasse do retorno das aulas presenciais no Estado na entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira (10). Uma semana atrás, representantes do sindicato dos colégios particulares realizaram um protesto em frente ao Palácio do Campo das Princesas para cobrar um cronograma de volta às aulas na educação básica. A autorização para o reabertura das escolas em Noronha se deu porque a ilha, segundo o governo, não registra transmissão comunitária da covid-19 desde o final de abril. Os primeiros a voltarem ao ensino presencial serão os 402 estudantes da Escola de Referência em Ensino Fundamental e Médio (Erem) Arquipélago Fernando de Noronha, a partir do dia 22 de setembro. Para os 217 alunos da creche, o Centro Integrado de Educação Infantil (CIEI) Bem-Me-Quer, a liberação ocorre a partir de 13 de outubro. Nesta quinta-feira, o secretário de Educação, Fred Amancio, também informou que estão autorizadas, a partir da próxima quarta-feira (16), as aulas práticas dos cursos técnicos de nível médio. As aulas presenciais no Arquipélago de Fernando de Noronha serão retomadas a partir de 22 de setembro. A ilha tem apenas uma escola e uma creche, ambas vinculadas à rede estadual, somando 619 alunos. Ficou para a próxima segunda-feira (14) o anúncio, por parte do governo estadual, de novidades em relação à suspensão ou manutenção da proibição de aulas presenciais na educação básica no restante de Pernambuco. Decreto que mantem as escolas fechadas, por causa da covid-19, expira no dia seguinte à coletiva, a terça-feira (15). PROTOCOLO Em Noronha, as duas unidades de ensino já iniciaram os preparativos para recepção dos estudantes, como a divulgação das medidas sanitárias previstas no protocolo setorial de educação; aquisição de totens de álcool em gel, termômetros, máscaras e face shields; além da realização de serviços de manutenção, especialmente para instalação de novas pias para lavagem das mãos (lavatórios). Foi criada uma comissão de planejamento para discussão da retomada das aulas, envolvendo representantes do Conselho Distrital, família, estudantes, Superintendência de Educação de Fernando de Noronha, vigilância sanitária e assistência social. A experiência em Noronha servirá de "teste" para o restante do Estado, que soma cerca de 2,3 milhões de alunos na educação básica. “É a primeira vez que o protocolo setorial de educação será posto em prática nas nossas escolas. O retorno das aulas presenciais na ilha será acompanhada com especial atenção, pois nos ajudará a compreender ainda mais o processo”, destacou Fred Amancio.