Fiocruz promete entregar a partir de quarta 1 milhão de doses da vacina produzida na fundação


A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) anunciou, nesta segunda-feira (15), que vai entregar as primeiras doses da vacina contra Covid-19 produzidas pela instituição ainda nesta semana. Serão 1 milhão e 80 mil doses até sexta-feira (19).

As primeiras 500 mil vão ser entregues até quarta (17). As outras 580 mil até o dia 19. A entrega será feita ao Plano Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, que fará a distribuição aos estados. Ainda de acordo com a Fiocruz, 3,8 milhões de vacinas serão entregues até março. A expectativa é que, no final do mês, a produção diária chegue a um milhão. As vacinas são envasadas com o Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) importado da China. Aumento da produção Na sexta-feira, o Jornal Nacional mostrou que as primeiras doses da Oxford-Astrazeneca produzidas no Brasil pela Fiocruz já estavam prontas para distribuição. Depois de vários atrasos na chegada do IFA, o ingrediente principal, nesta sexta (12), a Fiocruz recebeu uma boa notícia: a fábrica na China liberou o dobro da quantidade prevista - ainda sem data para chegar. A estimativa é que produção saia de menos de 4 milhões de doses em março para 30 milhões de doses em abril, mantendo o patamar elevado no mês seguinte. “Teremos matéria-prima para trabalhar por pelo menos mais dois meses. Então a gente está confiante de que a vacina vai chegar à população, que é o que a gente precisa. Chegar em quantidade, porque, agora, com a consistência de produção, a gente começa a distribuir quantidades maiores de vacina”, comentou o diretor de Bio-Manguinhos, Maurício Zuma. O salto na quantidade tem outras razões além da matéria-prima. Nesta sexta (12), a fábrica de Bio-Manguinhos inaugurou a segunda linha de produção, que vai dobrar a capacidade de encher os frasquinhos. A partir de abril, as máquinas vão ter capacidade de produzir um milhão de doses por dia. O registro definitivo da Anvisa vai permitir a liberação de um milhão de doses que já estão prontas, guardadas a 7° C nas câmaras frias. Só falta o rótulo. Ele não podia ser feito antes porque precisa levar o número do registro concedido nesta sexta (12). O desafio de fabricar vacinas é conciliar uma produção industrial com um cuidado quase artesanal com cada frasco. “Essa vacina, sem dúvida, é o grande meio que nos permitirá superar essa crise. Portanto, é importantíssimo esse registro hoje e a aceleração, da oferta de vacinas pelo Programa Nacional de Imunizações no Brasil”, comentou a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima.

PARCEIROS TVLW-2021.gif