Duas doses da vacina contra Covid-19 podem ser pouco para a ômicron

Duas das vacinas mais aplicadas contra a Covid-19 — a da Pfizer e a da AstraZeneca — demonstraram menor atividade protetora contra a infecção pela variante ômicron em testes de laboratório. A descoberta foi feita por cientistas da Universidade de Oxford ao longo de um experimento em que expuseram o sangue de pessoas que receberam as duas doses dos imunizantes à mais recente cepa do novo coronavírus. A possibilidade de baixa eficácia dos fármacos diante da nova forma genética do Sars-CoV-2 tem sido cogitada por especialistas da área, incluindo os da Organização Mundial de Saúde (OMS), preocupados com um maior poder de disseminação do que o da cepa delta, predominante no mundo. Os resultados obtidos pelos britânicos fortalecem as suspeitas.



No estudo, publicado na plataforma de divulgação de pesquisas MedRxiv — portanto, não revisado por pares —, os especialistas usaram amostras sanguíneas de indivíduos que haviam completado o regime tradicional do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford em parceria com a empresa AstraZeneca ou o fármaco protetivo criado pelos laboratórios Pfizer e BioNTech. O material foi exposto à mais recente cepa do Sars-CoV-2, e a equipe observou uma diminuição substancial nos títulos de neutralização, um indicativo do nível de anticorpos produzidos pelo organismo para proteger o corpo contra o agente infeccioso.


Os pesquisadores explicam que os resultados indicam que a ômicron tem o potencial de causar uma nova onda de infecções mesmo em vacinados, mas ressaltam que mais pesquisas precisam ser feitas para esclarecer a questão, já que outras respostas imunes que fazem parte do sistema de defesa do corpo humano não foram avaliadas no estudo. "Esses dados são importantes, mas são apenas uma parte da imagem. Eles só examinam os anticorpos neutralizantes após a segunda dose, e não nos falam sobre a imunidade celular", enfatiza Matthew Snape, professor de pediatria e vacinologia da universidade britânica e um dos autores do estudo, em um comunicado emitido pela instituição de ensino.

PARCEIROS TVLW-2021-4.gif