Damares: poucos moradores de rua têm covid, pois ninguém pega na mão deles


A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou hoje, em entrevista coletiva, que poucos moradores de rua foram contaminados pelo coronavírus no Brasil, porque "ninguém pega na mão deles".

"Não são muitos [que têm a doença]. E por que não são muitos ainda? Ninguém pega na mão deles, ninguém abraça morador de rua. Infelizmente", disse a ministra. O governo federal ainda não tem dados concretos de quantos moradores de rua já foram diagnosticados com a doença.


A transmissão do novo coronavírus pode ocorrer pelo contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão com uma pessoa infectada. Entretanto, o vírus também pode se espalhar sem que haja esse contato. Segundo o Ministério da Saúde, a transmissão também pode ocorrer pelo ar ou por contato com secreções contaminadas, como gotículas de saliva, espirro, tosse e catarro. Além disso, encostar em objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com boca, nariz ou olhos. "No governo Bolsonaro a gente tem dito que ninguém vai ficar para trás. A população de rua é prioridade para o governo, agora vamos acolher, em momento de emergência, mas paralelamente apresentaremos a política pública para a população de rua", prometeu Damares. Segundo a ministra, o programa Brasil Acolhedor será uma mobilização nacional para acolher as pessoas em situação de rua. Sérgio Augusto de Queiroz, secretário especial do Desenvolvimento Social (subordinada ao Ministério da Cidadania), afirmou que há 78.195 pessoas em situação de rua na mira da pasta para receber auxílio e que o governo deve liberar um crédito extraordinário de R$ 2,55 bilhões para ajudá-las. Locais de acolhimento que desejam receber parte do auxílio devem comprovar seu funcionamento regular e reforças medidas de higiene, priorizando acomodações individuais. Em São Paulo, entre os quase 2.000 mortos na capital por coronavírus até o momento, 22 vítimas são moradores em situação de rua. A informação foi confirmada ontem pelo prefeito Bruno Covas (PSDB). Oito deles eram idosos e tinham outras comorbidades, segundo a prefeitura. Há ainda 40 casos suspeitos de covid-19 em pessoas sem-teto. Não há óbito, ainda de acordo com a administração municipal, de algum sem-teto dentro de estabelecimentos criados para acolher pessoas nesta situação - um albergue e um centro de acolhimento estão disponíveis. Apesar disto, os 40 sem-teto considerados suspeitos de estarem com a doença continuam nestes locais.


Por: Notícias Uol