Coronavírus criou uma corrente de solidariedade entre as empresas

Coronavírus criou uma corrente de solidariedade entre as empresas


A pandemia do coronavírus expõe a fragilidade do sistema público de saúde e a falta de agilidade dos governos em apresentar soluções rápidas à crise. Mas, também, acelera mudanças de comportamento e estimula ações solidárias. No Brasil, desde que a covid-19 começou a avançar no final de fevereiro, tem crescido o número de empresas engajadas no combate ao vírus. São companhias que olham para ‘dentro de casa’ e para a comunidade. As principais ações são de apoio a hospitais e unidades de saúde nos municípios e a populações vulneráveis. Em Pernambuco, um milhão de pessoas vive em situação de extrema pobreza, com menos de R$ 145 por mês. Não é ficção quando se diz que muitas comunidades não têm água e sabão para lavar as mãos várias vezes ao dia, como recomendam os sanitaristas.

As Indústrias Reunidas Raymundo da Fonte - fabricante das maracas Brilux, Even, Sonho e Minhoto - iniciam amanhã (30), a distribuição de 120 mil litros de água sanitária Brilux para as secretarias de saúde dos Estados de Pernambuco, Ceará e Bahia. A empresa mantém fábrica nesses três Estados, além de Pará e Rio de Janeiro. As doações também serão destinadas às secretarias municipais de Saúde do Recife, de Salvador e Fortaleza, cidades onde a transmissão do vírus já é considerada comunitária. A Raymundo da Fonte se responsabiliza pela logística de entrega nas centrais de distribuição de cada órgão e depois os produtos seguem para os hospitais e unidades de saúde.

No total serão doados 10 caminhões truck, contabilizando 10 mil caixas de produtos. A iniciativa conta com o apoio da Braskem, Alliance, Jaguar, Klabin, Cobap e Penha, que forneceram os insumos para a fabricação de material doado. “Este é um momento em que todos devemos nos unir, poder público e iniciativa privada, para evitar a proliferação da doença. Seguimos firmes e confiantes na capacidade de recuperação do nosso povo. Diante disso, reafirmamos o nosso compromisso social com a higiene e a saúde do brasileiro”, ressalta Hisbello de Andrade, diretor presidente da Raymundo da Fonte.

Além do apoio aos governos, a Raymundo da Fonte também fez doação de produtos de limpeza, como sabonetes líquido e em barra, e álcool em gel para pessoas em situação de rua e lares de crianças e idosos. A distribuição contou com a ajuda do Lar do Neném e da Anima, beneficiando mais de 25 instituições.

GRUPO MOURA

Outro gigante com DNA pernambucano, o Grupo Moura anunciou que vai coordenar a produção local e fará a doação de 100 mil máscaras para reforçar as medidas de proteção individual da população contra o coronavírus. A produção começou na semana passada e vai começar a ser distribuída assim que tiver volume. As equipes de engenharia da empresa em Belo Jardim (Agreste) estudaram o desenvolvimento de um produto semelhante ao utilizado pela população chinesa para proteção individual, com camadas de tecido à base de algodão e um filtro de lã sintética.

“Ao longo desses dias pensamos em como poderíamos ajudar em um momento tão desafiador como este em que estamos vivendo. Mobilizamos toda equipe e chegamos à conclusão que tínhamos as ferramentas necessárias para produção de um protótipo de máscara em nosso laboratório. A partir disso, conseguimos avançar junto aos órgãos responsáveis e chegar em um modelo de qualidade que deverá ajudar a população nesse combate. Estamos juntos nessa luta, como empresa e como cidadãos”, diz o diretor de Engenharia do Grupo Moura, Antônio Júnior.

Sem indicação para uso hospitalar o por profissionais de saúde, a mascaras serão distribuídas com a população, com colaboradores e seus familiares e com os profissionais das revendas da companhia no País. O produto também precisa ser higienizado diariamente, utilizando produtos normais para lavagem de tecidos e água com temperatura superior a 60°C.

UNILEVER

A Unilever Brasil, fabricante de mais de 400 marcas entre elas OMO, Rexona e Comfort, vai doar R$ 1 milhão em produtos de higiene e limpeza para Pernambuco, onde mantém fábricas em Ipojuca, Igarassu, Jaboatão dos Guararapes e Garanhuns. O valor equivale a mais de 620 mil produtos que serão destinados a pessoas em situação de vulnerabilidade e hospitais, com a intenção de ajudar no combate ao novo coronavírus e proteger a saúde da população. A empresa também se comprometeu a estender o crédito ao pequeno varejista e antecipar o pagamento de pequenos e médios fornecedores para ajudar no fluxo financeiro e minimizar os efeitos da crise na cadeia produtiva.

“O mais importante é manter a saúde e a segurança das pessoas. Produtos de higiene e limpeza são fundamentais para todos nós, mas principalmente onde a situação é mais crítica como em comunidades e regiões com alta vulnerabilidade social, hospitais e lares de idosos”, diz Gerardo Rozanski, presidente da Unilever Brasil. Segundo o executivo, a companhia está trabalhando para que os produtos cheguem o mais rápido possível para quem precisa.

A Stella Artois está encabeçando uma ação para apoiar os restaurantes, que estão atuando com baixa demanda. O movimento “Apoie Um Restaurante” é uma iniciativa para unir restaurantes, marcas e comunidade pela sobrevivência dos negócios. “Apoie Um Restaurante” é uma plataforma colaborativa, criada com a ChefsClub para gerar caixa para que esses estabelecimentos, em especial os menores, se mantenham em funcionamento durante a fase de baixa demanda. Acessando www.apoieumrestaurante.com.br, o consumidor escolhe um restaurante e na compra de um voucher de R$ 100 paga só R$ 50 para consumir presencialmente no futuro. É um desconto de 50%, custeado pela Stella Artois e outros parceiros da ação. Em Pernambuco, pelo menos 15 restaurantes já estão participando do movimento.

O Parque Tecnológico de Eletroeletrônicos e Tecnologias Associadas (Parqtel), em parceria com as empresas Tron, Senfio e Fabk, que fazem parte do parque tecnológico, além da AD Diper, Senai e grupo Hardware se uniram para produzir 10 mil máscaras, que serão doadas aos profissionais de saúde do Estado. Outras empresas também estão se integrando a essa corrente de solidariedade, que só faz aumentar.


Por: JC Online