Caso Miguel: Na denuncia a Sarí, Ministério Público sugere que abandono em meio a uma pandemia agrav

Caso Miguel: Na denuncia a Sarí, Ministério Público sugere que abandono em meio a uma pandemia agrava pena



O promotor de Justiça Criminal Eduardo Tavares, do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), apresentou, na manhã desta terça-feira (14), denúncia contra Sarí Mariana Costa Gaspar Corte Real, na 1ª Vara de Crimes contra Criança e Adolescente da Capital, nas penas do art.133, §2º, por abandono de incapaz com resultado de morte, combinado com o art.61, inciso II, alíneas “h” e “j”, do Código Penal Brasileiro, que agravam as penas por ter  sido contra criança em meio à conjuntura de calamidade pública.


Sarí é primeira-dama de Tamandaré e cuidava da criança Miguel Otávio, 5 anos, filho da trabalhadora doméstica Mirtes Santana, quando a criança caiu do 9º andar do Edifício Píer Maurício de Nassau, no bairro São José, área central do Recife, no dia 2 de junho. Sarí foi indiciada pela Polícia Civil pelo crime de abandono de incapaz com resultado de morte.


Na hora em que a criança caiu, a mãe dele passeava com o cachorro da patroa, que fazia as unhas dentro do apartamento dela. Imagens de câmeras do prédio flagraram quando Sarí deixou a criança sozinha no elevador.