Caso Miguel: 16 testemunhas vão prestar depoimento à Justiça sobre a morte do garoto


A 50 dias da audiência de instrução e julgamento da primeira-dama de Tamandaré, Sarí Corte Real, acusada pelo abandono seguido de morte de Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) começou a intimar as testemunhas de acusação e de defesa do caso. A morte de Miguel, que caiu de um prédio de luxo após ser deixado no elevador sozinho pela patroa da mãe dele, na área central do Recife, completou mais de quatro meses.


A audiência está marcada para 03 de dezembro, na 1ª Vara de Crimes contra a Criança e o Adolescente da Capital. Segundo os advogados que acompanham Mirtes Renata Santana, mãe de Miguel, 16 testemunhas serão ouvidas em juízo. Serão oito de acusação, indicadas pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE), e oito de defesa, indicadas pelos advogados de Sarí.


O TJPE não quis confirmar quem são testemunhas, sob o argumento de que "leva em consideração a preservação da identidade e privacidade das pessoas que vão testemunhar na referida audiência".


Como determina a lei, Sarí Corte Real só será ouvida após todas as testemunhas prestarem depoimento. A ré também tem o direito de ficar em silêncio. Finalizada esta etapa, acusação e defesa vão apresentar as alegações finais. O prazo é de até dez dias a partir da notificação. Por fim, o juiz da 1ª Vara de Crimes contra a Criança e o Adolescente da Capital dará a sentença, que só deve acontecer em 2021.


Por: JC Online