Seja bem vindo
Arcoverde,20/04/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

MPPE PEDIRÁ NA SEGUNDA (26) CONDENAÇÃO DE UM DOS ACUSADOS PELO CRIME QUE FICOU CONHECIDO COMO “CHACINA DOS CONSELHEIROS TUTELARES DE POÇÃO”

MPPE PEDIRÁ NA SEGUNDA (26) CONDENAÇÃO DE UM DOS ACUSADOS PELO CRIME QUE FICOU CONHECIDO COMO “CHACINA DOS CONSELHEIROS TUTELARES DE POÇÃO”


MPPE PEDIRÁ NA SEGUNDA (26) CONDENAÇÃO DE UM DOS ACUSADOS PELO CRIME QUE FICOU CONHECIDO COMO “CHACINA DOS CONSELHEIROS TUTELARES DE POÇÃO”

Na próxima segunda-feira (26) o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) vai apresentar, na sessão da 4ª Vara do Tribunal do Júri da Capital, pedido de condenação de Wellington Silvestre dos Santos, apontado como o executor da chacina.

O crime ocorreu em 06/02/2015, na cidade de Poção/PE quando o carro do conselho tutelar foi interceptado numa emboscada que resultou na execução de três conselheiros tutelares e da avó materna de uma criança de 3 anos de idade, que também estava no interior do veículo.

Wellington foi denunciado pelos quatro homicídios qualificados pela emboscada, mediante pagamento e com característica de grupo de extermínio (Artigo 121 §2º, incisos I e IV, e §6º do Código Penal) contra Lindenberg Nóbrega de Vasconcelos, José Daniel Farias Monteiro, Carmem Lúcia da Silva (conselheiros tutelares) e Ana Rita Venâncio, avó materna da criança.

A denúncia incluía ainda a tentativa de homicídio da menina que foi encontrada em estado de choque no braço da avó que foi executada, em razão dos autores terem assumido o risco de tê-la atingido. Todavia, esta tese não foi aceita pelo Tribunal.

Desde as investigações, apontou-se que o crime foi encomendado pela avó paterna da menina, Bernadete de Britto Siqueira, que contratou grupo de extermínio para eliminar a família materna e garantir a guarda da menina. A denúncia apontou oito pessoas como responsáveis pela chacina.

Quando do oferecimento da denúncia, todos os réus estavam presos, exceto Wellington que ostentava condição de foragido. Assim, para evitar delongas, houve desmembramento do processo principal, dando origem a um novo processo que permaneceu suspenso até sua captura, em 25/10/2016.

Retomado o curso da ação, o réu foi pronunciado e, posteriormente, requerido o desaforamento da ação para a capital. Assim, o processo foi distribuído à 4ª Vara do Júri da Capital, onde ocorrerá o seu julgamento em plenário.





COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login